Nova gestão assume a UFPel

Nova gestão assume a UFPel

Em cerimônia on-line na tarde da última sexta-feira (22), a nova gestão da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), liderada pela reitora Isabela Fernandes Andrade, assumiu suas funções. O mandato é de quatro anos.

Na ocasião, foram nomeados a vice-reitora, Ursula Rosa da Silva, o pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento e reitor eleito, Paulo Roberto Ferreira Júnior e os demais sete pró-reitores, além de assessores e superintendentes (veja a lista abaixo).

Diálogo, integração e construção coletiva foram as palavras-chave das manifestações dos novos gestores. A esses conceitos foram somados valores como inclusão, diversidade, cidadania, afeto, tolerância e justiça social. Isso tudo passando por uma construção de Universidade já referência em ensino, pesquisa, extensão e inovação, mas buscando ampliar horizontes e galgar patamares ainda mais elevados de qualidade, a serviço da comunidade.

Em cerimônia on-line na tarde da última sexta-feira (22), a nova gestão da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), liderada pela reitora Isabela Fernandes Andrade, assumiu suas funções.

A reitora Isabela Andrade destacou sua expectativa de que esta seja a gestão mais participativa da história da UFPel. Isso porque o projeto que liderará tem 136 ações e foi construído a muitas mãos. “Todos temos um objetivo em comum: buscar o melhor para a nossa Universidade. Faremos isso acontecer. Temos um grupo acima de nomes”, disse.

Ao elencar conquistas da gestão anterior, Isabela destacou que está pronta para o trabalho de continuidade, de forma firme mas integradora, características de seu trabalho frente ao Centro de Engenharias, unidade da qual era diretora até então. Ao rebater eventuais críticas de que seria uma reitora “apenas no papel”, a gestora afirmou que não foge à luta e não assumiria um cargo de tamanha expressão se não fosse integralmente. “Assumo em defesa da autonomia universitária, para que o projeto escolhido pela comunidade seja implementado”, ressaltou. De acordo com ela, não se faz gestão sem um grupo e sem participação. A UFPel, disse, deve estar acima de vaidades, pressões políticas e interesses individuais. “Paulo e Ursula estarão comigo o tempo todo, assim como o grupo que assume hoje. Na UFPel, a reitora, o reitor eleito e a vice estarão juntos. É a proposta que será implementada nos próximos quatro anos”, finalizou.

Gestão construída coletivamente
Para o reitor eleito, Paulo Ferreira Júnior, as universidades públicas são patrimônios das suas regiões a serviço do seu povo, construídas por seus técnico-administrativos, professores e estudantes. Comunidade essa que o escolheu para ser o dirigente máximo da instituição. “O presidente da república não tem respeitado a ordem das listas tríplices. Sem nenhuma motivação técnica, sem justificativa, fere a autonomia dessas instituições”, afirmou. Ferreira agradeceu a todos os que confiaram no projeto da chapa eleita e destacou que o grupo sempre se apresentou unido. “Não trilhei esse caminho sozinho. Todos nós temos o compromisso com a mesma forma de administrar a Universidade. Não desejávamos estar nas posições que estamos aqui. Mas a Universidade resistiu a uma tentativa de ser golpeada. Trocamos de lugar, eu e Isabela. E uma gestão já planejada para ser coletiva ficou ainda mais forte por essa decisão”, disse.

Ferreira citou ainda os princípios que regem o trabalho do grupo – transparência, gratuidade, equidade, aproximação, pertencimento, compartilhamento e descentralização. Agradeceu aos então reitor e vice, Pedro Hallal e Luís Amaral pela “gestão histórica” e destacou que o trabalho duro pela frente será pautado pela promoção de uma integração ainda maior com a comunidade acadêmica e com a sociedade. “Trabalharemos para aumentar nosso impacto social como universidade para incentivar a conexão entre o conhecimento produzido e os desafios da sociedade. Daremos um salto na promoção da inovação e desenvolvimento tecnológico. Buscaremos o desenvolvimento econômico da região, geração de emprego e renda e qualidade de vida”.

O reitor eleito reforçou ainda o compromisso com a ampliação da participação da comunidade nos processos de tomada de decisão e da democracia direta. De acordo com ele, a UFPel será acolhedora de muitas formas. Como exemplo, mencionou a criação de espaços de convivência, esporte, cultura e lazer, a possibilidade de estudantes cursarem disciplinas de forma introdutória antes mesmo do ingresso na instituição e o estímulo para a criação de disciplinas que tratem de temas universais como diversidade, tolerância e justiça social. Criação de currículos inovadores em graduação e pós-graduação também estão no horizonte, assim como a atualização de documentos institucionais. “Uma administração para todos e com todos é o que a UFPel pode esperar de nós”, sublinhou.

“Uma universidade é feita de pessoas e queremos estar juntos”, reforçou a vice-reitora Ursula Silva em sua manifestação. A então gestora do Centro de Artes falou sobre gratidão e celebração da vida, crescimento em qualidade e diversidade, amparado pelo poder da arte, da criatividade, do afeto, da poética. “Somos um coletivo, e é essa gestão é colaborativa, compartilhada, dialogada”, pontuou. Ursula falou ainda sobre aprendizado, resistência, tolerância, paciência e insistência, necessária “quando sabemos que o que defendemos é soberano: o ensino público, gratuito e de qualidade e a autonomia universitária. A liberdade de a pessoa ter uma formação, uma profissão, porque a educação é dever do estado”.

De acordo com ela, é preciso insistir quando há um programa de gestão feito por muitas mãos e que traz os principais aspectos a serem enfatizados no ensino superior. Aproximação e integração devem gerar ações não apenas em curto prazo, mas transformações importantes para a concepção de ensino. “A Universidade é uma construção coletiva e é assim que se faz gestão. Precisamos pensar a Universidade como espaço de formação para a vida”.

Despedida
Em sua última fala como reitor da UFPel, Pedro Curi Hallal falou sobre o patamar em que a UFPel chegou nos últimos tempos, sendo destaque quando olhada sob diversos prismas. “Escolham qualquer indicador de qualidade e verão que a UFPel ‘bombou’ nos últimos quatro anos”. Segundo ele, 87% do programa proposto foi cumprido. Hallal listou conquistas como o transporte de apoio gratuito ao Campus Capão do Leão, as formaturas institucionais, o Restaurante Universitário do Anglo, a nova Casa do Estudante, a proximidade com os movimentos sociais, o crescimento nos indicadores de qualidade em ensino de graduação e pós-graduação, além de um caixa equilibrado e contas aprovadas pelos órgãos de auditoria e controle.

O então gestor lembrou do protagonismo que a UFPel assumiu durante a pandemia, em pesquisas e prestação de serviços à comunidade de forma corajosa, criativa, comprometida e baseada na ciência.

No entanto, ao elencar os ganhos da instituição no período, Hallal disse preferir destacar os de ordem simbólica: o sentimento de pertencimento, o senso de coletividade e a intensidade de democracia.

Para a nova gestão, o ex-reitor desejou que sempre lutem em favor dos que mais precisam, não apenas mantendo a UFPel no patamar em que chegou, mas especialmente elevando seu status. “O programa escolhido pela comunidade precisa ser implementado, independentemente de quem estiver na cadeira de reitor. Quem manda na UFPel é a comunidade da UFPel”, afirmou. No recado final, dirigiu-se aos alunos: “não aceitem nada menos que o melhor, nunca percam a capacidade de se indignar e de sonhar. Exijam o máximo da nossa dupla de reitores, mas com respeito e coerência. Continuem sendo o patrimônio mais valioso da nossa Universidade”.

O vice-reitor Luís Isaías Centeno do Amaral falou sobre o entendimento que tiveram, como gestores, da obrigação de levar a sério os múltiplos significados da palavra “inclusão”: acolhimento digno aos filhos das classes populares, inclusão para que a ciência e a tecnologia produzidas na UFPel contemplasse o olhar e as necessidades dos excluídos, para a titulação efetiva, para a mitigação da pobreza e misérias. “Acho que esse é um grande legado que deixamos e devemos isso a todos os que acreditaram e se envolveram”, disse.

De acordo com ele, para além de suas atividades fins, quando a Universidade não contribui para mudar discursos na sociedade, se nega a ouvir as necessidades dos excluídos, proteger o meio ambiente e a cultura, ela não está cumprindo integralmente seu papel com os mais pobres: está a serviço da manutenção do status quo. “Assim, entendo, sanados já os problemas estruturais mais graves da UFPel e com a autoestima de seu corpo de servidores restabelecida, é urgente que gestão Diversa mergulhe a nossa Universidade em ações de desenvolvimento sustentável e melhoria das condições para a vida”. Segundo ele, nesse momento histórico no Brasil, de variadas violências e desdém dos governantes, a raiva nubla a visão. “Os progressistas estamos todos divididos na UFPel. Não há alternativa outra que não seja buscarmos o diálogo desarmado. Pacificar a UFPel: esse, penso, será o grande desafio que encontrará a gestão que se inicia. A única saída para esse tempo de obscurantismo e desprezo pela vida é pelas vias da paz, do diálogo e do convencimento”.

Quem são os novos gestores

Reitora: Isabela Fernandes Andrade
Vice-reitora: Ursula Rosa da Silva
Pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento: Paulo Roberto Ferreira Júnior
Pró-reitora de Ensino: Maria de Fátima Cóssio
Pró-reitor de Extensão e Cultura: Eraldo dos Santos Pinheiro
Pró-reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação: Flávio Fernando Demarco
Pró-reitora de Assuntos Estudantis: Fabiane Tejada da Silveira
Pró-reitor Administrativo: Ricardo Hartlebem Peter
Pró-reitora de Gestão de Pessoas: Taís Ullrich Fonseca
Pró-reitor de Gestão da Informação e Comunicação: Júlio Carlos Balzano de Mattos (com a nova estrutura de gestão que será submetida ao Consun, será nomeado como superintendente de Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação)

Chefe de Gabinete da Reitoria: Aline Ribeiro Paliga
Assessor do Gabinete da Reitoria: Marco Aurélio Romeu Fernandes
Assessor do Gabinete da Reitoria: Gilberto D’Ávila Vargas
(com a nova estrutura de gestão que será submetida ao Consun, será nomeado como superintendente do Campus Capão do Leão)
Assessora da Vice-Reitoria: Silvana Paiva Orlandi
Superintendente de Orçamento: Denis Teixeira Franco
Superintendente de Infraestrutura: Tiago Venzke Vahl
Superintendente do Hospital Escola: Samanta Winck Madruga
Coordenador de Inovação Tecnológica: Vinícius Farias Campos (com a nova estrutura de gestão que será submetida ao Consun, será nomeado como superintendente da Agência de Inovação e Desenvolvimento Institucional)



Fonte: Diário da Manhã
Redação: redacao@diariodamanhapelotas.com.br

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: