Gatil Municipal trata gatos de rua doentes

Gatil Municipal trata gatos de rua doentes

A Prefeitura inaugurou no início deste ano, um serviço inédito em Pelotas: o Gatil Municipal. O local irá atender exclusivamente gatos de rua que tenham alguma doença zoonótica (aquelas transmissíveis de animais para humanos) com índice alto de transmissão, dando prioridade à esporotricose, que é muito comum no município.

Chefe da Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e responsável pela Vigilância da Esporotricose, Isabel Madrid esclarece que a comunidade pode solicitar atendimento para animais doentes, mas eles somente serão recolhidos após uma investigação criteriosa para averiguar se realmente não têm dono e se estão com alguma doença zoonótica.

 

O Gatil tem capacidade para atender até sete felinos, que devem permanecer no espaço até que seja comprovada a sua cura clínica – um processo que dura no mínimo três meses. Uma vez curados, eles ficam disponíveis para adoção e, caso ninguém se interesse, são devolvidos à mesma região em que foram encontrados, conforme determina a legislação municipal.

O gatinho, batizado de Amadeu (foto), tem temperamento muito dócil

PRIMEIRO PACIENTE

Recentemente, o Gatil realizou o primeiro recolhimento para tratamento de esporotricose. O gatinho, batizado de Amadeu (foto), tem temperamento muito dócil conforme os funcionários e, assim que estiver recuperado, poderá ser adotado.

COMO CONTATAR O GATIL

A comunidade pode solicitar atendimento para gatos de rua doentes pelo telefone 3284-7731 (CCZ), de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h30min às 17h30min. O recolhimento ocorre somente após a vistoria técnica e confirmada a doença zoonótica (que pode exigir exame laboratorial).

RESPONSABILIDADE

Isabel Madrid destaca que “também tem toda uma questão cultural que é preciso mudar. Muita gente alimenta os animaizinhos, mas ‘não se sente responsável’ por eles quando adoecem”, pondera. Ela ressalta ainda a importância de que os felinos sejam castrados cedo, o que reduz a produção hormonal e a “necessidade de liberdade” dos gatos, já que é nesses “passeios” que costumam contrair doenças de outros animais.

SAIBA MAIS

A Esporotricose é uma infecção subcutânea causada por fungos do complexo Sporothrix que acomete pessoas e animais. A doença é adquirida pelo implante traumático do fungo na pele, sendo especialmente transmitida através de arranhões e mordidas de felinos contaminados. O desenvolvimento da lesão inicial é bem similar a uma picada de inseto evoluindo para feridas ulceradas e sanguinolentas. Eventualmente podendo evoluir para cura espontânea. Em alguns casos pode afetar o trato respiratório causando espirros e dificuldade respiratória.



Fonte: Diário da Manhã
Redação: redacao@diariodamanhapelotas.com.br

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: